O Estado Intermediário

2ª Parte.

Amados. Como vimos na postagem anterior, Deus preparou um escape para que o homem não morresse eternamente. Ele criou o sistema sacrificial como uma substituição, pois quem deveria morrer era o homem pecador. Mas pela grande misericórdia do Senhor ele prepara o sistema de sacrifícios para que ao invés de ser derramado o sangue do homem fosse derramado o de um animal.

Mas o sangue de animal era tão somente um substituto do que haveria de vir, pois este sacrifício embora aceito por Deus era imperfeito, pois o animal não sabia o que estava acontecendo. O animal não tinha consciência o do porque ele estava sendo imolado. E é exatamente aí que entra Cristo; o Cordeiro de Deus que veio morrer numa cruz para pagar a dívida que estava sobre nós. Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Jesus é o sacrifício perfeito pois morreu consciente e voluntariamente por nossas vidas. Esse sacrifício é o sacrifício perfeito. O animal não era voluntário e nem tinha consciência do que estava acontecendo, mas Jesus Cristo sabia que ia morrer pelos nossos pecados e voluntariamente aceitou.

4 – O Que Acontecia ao Homem Que Morria no Antigo Testamento?

Alguns teólogos e escritores bíblicos entendem que as pessoas que morriam no Antigo Testamento, tanto os salvos (mediante o derramamento do sangue de animais pela culpa), como os não salvos, iam para um lugar chamado “SHEOL”. Esta palavra é de origem hebraica e possui alguns significados em nossa língua tais como: sepultura, inferno. No grego, esta palavra é traduzida como “HADES”.

Alguns teólogos acreditam e defendem que durante o período do Antigo Testamento, até o advento de Cristo, os mortos dividiam o mesmo lugar (SHEOL ou HADES), onde havia uma separação entre os que morriam na incredulidade (ímpios) e os que morriam na fé em Deus, se beneficiando do sistema sacrificial, instituído por Deus.

Mas a maioria dos escritores e teólogos defendem que aqueles que morreram no período do Velho Testamento, crendo em Deus e em suas promessas, iam diretamente para o céu na presença de Deus.

Algumas passagens nos dão esse entendimento tais como:

O que entendemos com isso é que o Sheol (hebraico) ou o HADES (em grego), não foi feito para os salvos, é na verdade um lugar para onde vai a alma dos descrentes, dos perdidos, dos ímpios, como podemos observar nos seguintes textos:

Portanto com todos estes textos entendemos que não restam dúvidas. Os mortos que não creram em Deus, que permaneceram ímpios em sua trajetória humana, foram diretamente para o SHEOL (inferno) e os crentes tanto da antiga aliança, como os da nova aliança, que permaneceram fiéis a Deus e a Cristo, foram levados após a morte para o céu, paraíso ou seio de Abraão e ainda hoje isto prevalece, quem morre crendo em Jesus Cristo, vai para o céu, quem não crê já está condenado, vai para o inferno. Entendo que antes da morte de Cristo, o paraíso ficava em algum lugar próximo ao SHEOL – HADES, e que após a morte de Jesus foi mudado de lugar, mas não entendo que os ímpio e os crentes da antiga aliança ficassem em um mesmo local, com os ímpios(HADES), esperando a redenção. Acredito e defendo que todos os fiéis de qualquer época, que vão para o paraíso, já desfrutam de algumas das promessas feitas aos salvos. Se a Palavra de Deus diz que os que morrem sem Cristo já estão em sofrimento, porque os salvos não podem após a morte de vislumbrarem algumas das promessas celestiais.

Na próxima postagem vou responder quando foi feito o primeiro sacrifício de animais. Fique ligado. Vamos aprender mais sobre o que Deus tem preparado para todos aqueles que o amam.
Tente responder a pergunta que foi feita. Procure investigar na bíblia e obter a resposta.
Na próxima postagem vamos começar a mostrar a realidade da situação dos homens que morrem, tanto de salvos como de não salvos.

Aguardem.

Pr. Paulo Roberto Costa da Paixão